quinta-feira, 2 de junho de 2011

ENDEAVOUR RETORNA DE SUA VIGÉSIMA QUINTA E ÚLTIMA MISSÃO



O ônibus espacial Endeavour completou na madrugada desta quarta-feira sua 25.ª e última missão. Após 16 dias de trabalho na Estação Espacial Internacional (ISS, pela sigla em inglês), a nave aterrissou às 3h35 (horário de Brasília) no Centro Espacial Kennedy, sul da Flórida, trazendo à Terra seus seis tripulantes.

A última missão do Endeavour levou seis astronautas ao espaço para instalar um detector de partículas na Estação Espacial Internacional (ISS) e transportar partes extras para suprir o posto avançado da órbita para depois do fim do programa de ônibus especiais. O equipamento de US$ 2 bilhões será usado para experimentos físicos relacionados com o universo.

Quem comandou a missão foi o capitão da Marinha norte-americana Mark Kelly, que estava afastado para cuidar da esposa e deputada do Arizona Gabriele Giffords, que havia sido baleada em janeiro deste ano. Com ele, voaram o piloto Gregory Johnson, da Força Aérea norte-americana, os especialistas Mike Fincke, Andrew Feustel, Greg Chamitoff e o italiano Roberto Vittori, da agência espacial europeia ESA.


O programa americano de ônibus espaciais prepara agora o lançamento final da Atlantis para 8 de julho, antes de seu encerramento em definitivo, após três décadas de voos espaciais tripulados e exploração do espaço.

Com o fim do programa, apenas as cápsulas espaciais russas estarão disponíveis para o transporte ao laboratório orbital até que um novo veículo tripulado seja construído pelos Estados Unidos.

A Nasa estima que um novo ônibus espacial ficará pronto entre 2015 e 2021.

O Endeavour é a mais jovem nave da frota espacial dos Estados Unidos, da qual fazem parte ainda a Discovery - aposentada após voltar de sua última missão em março - e a Atlantis.

Duas naves espaciais americanas explodiram quando voltavam à Terra: a Challenger, em 1986, e a Columbia, em 2003. Quatorze pessoas morreram nos dois acidentes.

O Endeavour começou a ser construído após a explosão da Challenger. 

Seu primeiro voo espacial ocorreu em 1991.

Após suas missões finais, Endeavour, Atlantis e Discovery ficarão expostos em diferentes museus do país.

Fontes: NASA, Folha de São Paulo.


Cique no título e vá para o site da NASA!


ON -Curso de Evolução Estelar - Módulo 2 - Gabarito


Curso à distância de "Evolução Estelar"- Gabarito da Segunda Prova

Marque a resposta errada

Cada elemento químico, quando submetido às condições adequadas, produz linhas de absorção que são diferentes de suas linhas de emissão.

Marque a resposta errada

A maioria das estrelas que conhecemos fica situada na região das gigantes e supergigantes do diagrama HR.

Marque a afirmação certa

A maioria das estrelas que conhecemos fica localizada na seqüência principal do diagrama H-R.

Marque a resposta errada

Quanto maior o valor da magnitude aparente de uma estrela maior é o seu brilho.

Marque a resposta certa

A luminosidade de um objeto depende da temperatura e também da área de superfície do objeto.

Se duas estrelas têm a mesma temperatura

a maior delas emitirá mais energia e, consequentemente, terá uma luminosidade maior do que a outra estrela.

Marque a afirmação errada

        Nem o espectro de absorção nem o de emissão dependem da temperatura relativa entre a nuvem de gás e o seu fundo.

O comprimento de onda no qual um determinado corpo irradia mais fortemente é

inversamente proporcional à temperatura do corpo.

A intensidade da luz emitida por uma estrela fria tem seu pico

em comprimentos de onda longos, fazendo a estrela parecer vermelha.

Marque a resposta certa

Com base na relação entre largura da linha espectral e luminosidade, os astrônomos dividiram as estrelas em cinco classes de luminosidade que são representadas por numerais romanos de I a V.

        as linhas de absorção são mais largas em estrelas com altas densidades e mais estreitas em estrelas com baixas       densidades.


A sequência principal do diagrama H-R é

onde as estrelas transformam hidrogênio em hélio através dos processos nucleares que ocorrem no seu interior.

Marque a resposta errada

As estrelas do tipo F, como por exemplo o nosso Sol, apresentam temperaturas entre 6000 e 7500 Kelvin, possuindo, portanto, a cor amarelo branco.

Como definimos a luminosidade de uma estrela?

É a energia luminosa, em todos os comprimentos de onda, que uma estrela emite por unidade de tempo.

Marque a resposta certa

A magnitude absoluta de uma estrela é definida como a magnitude aparente que ela teria se estivesse localizada a uma distância de exatamente 10 parsecs da Terra.

Marque a resposta certa

O índice de cor de uma estrela está diretamente relacionado com a temperatura da superfície de uma estrela.

O que são as linhas espectrais?

São as linhas finas, escuras ou brilhantes, que surgem quando a luz proveniente de uma fonte luminosa atravessa um prisma.
Quando um feixe luminoso atravessa um gás transparente e quente produz um espectro 
de linhas de emissão, onde uma série de linhas espectrais brilhantes estão traçadas contra o fundo escuro. 
Marque a resposta errada
A classificação espectral de Harvard está baseada exclusivamente na cor aparente das estrelas.

Marque a resposta errada
As possíveis transições que o elétron do átomo de hidrogênio pode fazer entre os vários níveis atômicos dá origem às chamadas "séries do hidrogênio" que são as séries de Lyman, Balmer, Paschen, Brackett e Kirchhoff.

Retorno as atividades no blog.

Antes de mais nada gostaria de informar a todos vcs, meus amigos, visitantes e fiéis seguidores deste blog que eu estou bem.

Por motivos múltiplos não pude dar a atenção desejada e devida a este importante espaço de divulgação das ciências do espaço.

Graças a Deus os motivos impeditivos foram sendo vencidos e é com muita alegria que informo a todos que voltamos as atividades inerentes ao espaço em tela.

Contando com a real compreensão de vcs !

Vamos as estrelas, ou melhor....AD ASTRA.

sábado, 26 de março de 2011

ON - Curso de Evolução Estelar 2011 - Módulo 1 - GABARITO

 

 

Curso à distância de "Astrofísica Estelar" = Gabarito 

 

A terceira lei de Kepler nos diz que:
o tempo gasto por um planeta para realizar uma órbita completa em torno do Sol está relacionado com sua distância ao Sol.

Marque a resposta errada:
Os quarks possuem carga elétrica igual à do elétron, mas positiva

.
Qual afirmação é correta?
A unidade astronômica é definida como a distância média entre a Terra e o Sol.

Qual afirmação é correta?:
A estabilidade nuclear está associada à força forte. Se ela não existisse, os núcleos atômicos não existiriam pois é ela que mantém o núcleo unido
Marque a resposta certa:
Além deuma certa energia, chamada potencial de ionização, os elétrons que pertencem a um átomo não conseguem mais ficar ligados ao núcleo. Eles passam a ser elétrons livres.

Qual dos valores abaixo é o resultado incorreto da operação 4,7 x 106 + 0,7 x 104?
0,4707 x 106

O que é uma equação de estado? :
É uma relação obtida entre duas ou mais variáveis de estado, sejam elas, temperatura, pressão, volume ou energia interna.

A segunda lei de Kepler nos diz que
Que os planetas se movem mais rapidamente quando estão mais próximos do Sol e mais lentamente quando estão mais afastados.


Por que dizemos que as estrelas não satisfazem perfeitamente as condições necessárias para serem classificadas como verdadeiros corpos negros?:
Gases rarefeitos, tais como os que formam a maior parte de uma estrela, não obedecem à lei de Wien e, portanto, não são corpos negros.


Marque a resposta errada::
O zênite de um observador aponta para o pólo celeste do hemisfério onde se encontra o observador.

Qual afirmação é correta?:
A luz é uma forma de radiação criada por campos elétrico e magnético que oscilam perpendicularmente um ao outro à medida que se propagam pelo espaço.

Marque a resposta certa:
A unidade de temperatura da escala Kelvin é chamada apenas de "Kelvin" e não "grau" Kelvin.

Marque a resposta certa:
Número de massa é o número total de prótons e nêutrons que formam um determinado núcleo atômico. Número atômico é o número de prótons que participam do núcleo de um determinado átomo. 

Sabemos que se mantivermos constante a massa e a temperatura de uma determinada quantidade de gás, a diminuição do seu volume fará com que sua pressão aumente. Esta é a lei de:
Boyle-Mariotte

O número 18,7 x 108 pode ser escrito como..
nenhuma das respostas anteriores


As chamadas "séries do átomo de hidrogênio" representam transições entre níveis atômicos que podem ocorrer nesse átomo. Dizemos que as séries do átomo de hidrogênio que recebem os nomes de Pfund, Balmer, Brackett, Lyman e Paschen ocorrem quando o elétron pertencente a este tipo de átomo faz uma transição de um nível excitado para qual nível de energia mais baixa?
Faz uma transição para os níveis 5, 2, 4, 1, 3 respectivamente.


Seguindo das maiores energias para as menores, o espectro eletromagnético pode ser dividido nas seguintes regiões:
raios gama, raios X, radiação ultravioleta, região visível, radiação infravermelha e região rádio.

Quais são os constituintes mais fundamentais da matéria?
Os léptons, os quarks, os mediadores e o bóson de Higgs.

Qual afirmação é falsa?
Podemos perceber todo o espectro eletromagnético utilizando os nossos sentidos. Apenas percebemos melhor a região visível por que esta afeta os nossos olhos.

Em um sistema binário de estrelas:
Ambas as estrelas giram em torno do centro de massa do sistema
.
 

Science Daily


A Black Hole found in binary star system: More than five times greater in mass than our Sun.

ScienceDaily (2011-03-25) -- The Gran Telescopio Canarias (GTC) has obtained the first spectroscopy data from the X-ray transient binary XTE J1859+226, which confirm the existence of a black hole.

Only about 20 binary stellar systems are known to contain a black hole, out of an estimated population of around 5,000 in the Milky Way Galaxy.



http://www.sciencedaily.com/releases/2011/03/110325082725.htm%22%3Eread full article

domingo, 6 de fevereiro de 2011

SCIENTIFIC AMERICAN Brasil - Edição Especial

A Longa História do UNIVERSO do Big Bang ao Esgotamento do Tempo.






Já está nas bancas e livrarias desde a última terça-feira, dia 01 de Fevereiro, a nova edição da SCIENTIFIC AMERICAN Brasil.





Em sua Edição Especial de número 41 a revista aborda um total de dez trabalhos relacionados a cosmologia.

São artigos recentes e atualizados que foram publicados pela SCIENTIFIC AMERICAM Brasil.

Como disse o próprio Ulisses Capozzoli,

 _"Ao contrário dos artigos isolados, uma reunião deles produz um efeito de contextualização, capaz de estimular uma reflexão mais profunda. Especialmente numa área tão fascinante como a tarefa profunda de reconhecimento do universo."




A revista merece ser adquirida sem sombra de dúvida visto que por apenas 13,90 reais o leitor estará tendo contato, resumidamente, em um único vetor de informação, com o que de mais significativo e novo foi publicado em português sobre o tema cosmologia.

A saber:

A ORIGEM DO UNIVERSO

RELATOS DE UM UNIVERSO OSCILANTE

O UNIVERSO ESTÁ PERDENDO ENERGIA?

EXISTE MESMO ENERGIA ESCURA?

O FIM PROVÁVEL DA COSMOLOGIA

A BUSCA PELA VIDA NO MULTIVERSO

O MISTERIOSO NASCIMENTO DAS ESTRELAS

ESTRELAS NEGRAS, NÃO BURACOS

O TEMPO É UMA ILUSÃO?

O TEMPO PODE ACABAR?


SUMÁRIO

O Grande Relato
A ORIGEM DO UNIVERSO

Por Michael S. Turner
Cientistas fecham o cerco sobre os principais processos que criaram e deram forma aos Cosmos

Universo Eterno
RELATOS DE UM UNIVERSO OSCILANTE

Por Martin Bojowald
Nosso universo pode ter começado não com uma grande explosão, mas com uma grande reversão que deflagrou o Big Bang, tudo sob a regência de efeitos gravitacionais quânticos bastante exóticos

Contradição Aparente
O UNIVERSO ESTÁ PERDENDO ENERGIA?

Por Tamara M. Davis
A energia total deve ser conservada. Qualquer estudante de física aprende essa lei fundamental. O problema é que ela não se aplica ao Universo como um todo.

Aceleração da Expansão
EXISTE MESMO UMA ENERGIA ESCURA?

Por Timothy Clifton e Pedro G. Ferreira
As mesmas observações que levaram os astrônomos a considerar esse modelo podem conduzir a outra explicação: nossa galáxia estaria no centro de um gigantesco vazio cósmico

A História do Futuro
O FIM PROVÁVEL DA COSMOLOGIA

Por Lawrence M. Krauss e Robert J. Scherrer
O Universo em aceleração apaga as pistas de suas próprias origens

Universos Paralelos
A BUSCA PELA VIDA NA ESTRANHEZA DO MULTIVERSO

Por Alejandro Jenkins e Gilad Perez
Universos com diferentes leis físicas, em comparação com nosso universo, ainda podem ser habitáveis

Gênese Estelar
O MISTERIOSO NASCIMENTO DAS ESTRELAS

Por Erick T. Young
Como elas se formam? A resposta detalhada ainda está longe de ser obtida

Zoológico Cósmico
ESTRELAS NEGRAS, NÃO BURACOS

Por Carlos Barceló, Stefano Liberati, Sebastiano Sonego e Matt Visser
Efeitos quânticos podem evitar que buracos negros verdadeiros se formem e deem origem a entidades muito densas, chamadas estrelas negras

Controvérsias
O TEMPO É UMA ILUSÃO?

Por Craig Callender
Conceitos podem emergir de um universo que é, em essência, totalmente estático

Paradoxo
O TEMPO PODE ACABAR?

Por George Musser
Sim. E não. O tempo acabar parece impossível e inevitável. Trabalho recente em física sugere uma resolução para esse paradoxo

KEPLER -11 (AN AMAZING EXOPLANET DISCOVERY)



A procura por planetas fora do sistema solar atinge neste momento um patamar sem precedentes na história da pesquisa espacial.

O significativo aumento na quantidade de novos "Astros Planetários" descobertos nos últimos anos tem uma razão muito especial, a Missão KEPLER.




 A sonda Kepler consiste em um observatório espacial projetado pela NASA que deverá procurar por planetas extrasolares. Para esta finalidade, a sonda deverá observar as 100 000 estrelas mais brilhantes do céu por um período de aproximadamente quatro anos, a fim de detectar alguma ocultação periódica de uma estrela por um de seus planetas.

Custará cerca de 600 milhões de dólares. O telescópio (Sonda) Kepler gira em torno do Sol, na mesma órbita da Terra. Permanece sempre protegido dos raios solares o que permite um exepcional  ganho em termos de poder de medição das diferenças espectrais.

Por estar fora da atmosfera terrestre suas observações e registros não serão comprometidos pelos efeitos prejudiciais concernentes. Poluição, Refração, Filtro etc.

No último dia 2 de fevereiro foi divulgada pela NASA uma espetacular descoberta feita pelo KEPLER, na realidade uma descoberta em dose sextupla.

É a primeira vez que ocorre uma descoberta com um tão grande número de exoplanetas pertencentes a um mesmo campo gravitacional de uma estrela.

Veja a reportagem nos sites da NASA ou no site do Astro-Pt (Portugal.)





VEJA SITE ESPECÍFICO http://kepler.nasa.gov/





Scientists using NASA's Kepler, a space telescope, recently discovered six planets made of a mix of rock and gases orbiting a single sun-like star, known as Kepler-11, which is located approximately 2,000 light years from Earth.

"The Kepler-11 planetary system is amazing," said Jack Lissauer, a planetary scientist and a Kepler science team member at NASA's Ames Research Center, Moffett Field, Calif. "It’s amazingly compact, it’s amazingly flat, there’s an amazingly large number of big planets orbiting close to their star - we didn’t know such systems could even exist."

In other words, Kepler-11 has the fullest, most compact planetary system yet discovered beyond our own.

"Few stars are known to have more than one transiting planet, and Kepler-11 is the first known star to have more than three," said Lissauer. "So we know that systems like this are not common. There’s certainly far fewer than one percent of stars that have systems like Kepler-11. But whether it’s one in a thousand, one in ten thousand or one in a million, that we don’t know, because we only have observed one of them."









/


sábado, 5 de fevereiro de 2011

A BRIEF HISTORY OBSERVING OF THE SUN




Em pouco mais de 1 minuto este filmete nos conta a história da observação do Sol.

Muito bem elaborado ele nos permite ter uma noção simplificada da evolução do estudo observacional do nosso "Astro Rei", a importância da tecnologia e a participação de ilustres colaboradores.

(Clique no Logo Universe Today para abertura dá pagina do filmete)


sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

A Guide to "Advanced Skywatching", by David H.Levy and Others




ADVANCED SKYWATCHING.

Assim como o livro lançado anteriormente (A Guide to Skywatching) este segundo livro também deveria ser objeto de aquisição por parte daqueles que estão a montar uma pequena biblioteca voltada a Astronomia.

O livro mantém as mesmas características que fizeram de seu antecessor um sucesso de vendas entre os amantes dos estudos astronômicos. Quais sejam...Ótima apresentação e diagramação. Excelentes fotografias. Textos muito bem redigidos, possibilitando fácil aquisição tanto de novos conhecimentos como também  o aprofundamentos daqueles assuntos já conhecidos.

Foi publicado inicialmente em 1997 sendo reeditado e novamente publicado, já com as atualizações necessárias, em 2002 e 2003

A editora, Fog Press, é a mesma que republicou o primeiro livro em 2002, também são similares o formato e a belíssima apresentação em capa dura. Isso poderia até a vir a confundir futuros comparadores menos atentos.

São livros parecidos mas não são de forma alguma redundantes e sim espetacularmente complementares.

Possui ao todo 288 páginas e está dividido em seis capítulos, sendo curiosamente cada um deles escrito por um dos autores do livro.

Capítulo 1, Exploring the Universe, by Jeff Kanipe
Capítulo 2, Skywatching Tools, by Alan Dyer
Capítulo 3, Sun an Moon, by Robert Burnham
Capítulo 4, The Planets, by Robert Burnham / David H.Levy (Comets)
Capítulo 5, Other lights in the Sky, by Jeff Kanipe
Capítulo 6, Starhopping Guide, by Robert A.Garfinkle / Martin George

Pode ser adquirido em vários sites nos EUA por menos de 5 dólares fora o frete de remessa para o Brasil

AMAZON
http://www.amazon.com/Advanced-Skywatching-Astronomers-Starhopping-Exploring/dp/0783549415

ALIBRIS
http://www.alibris.com/booksearch?qwork=135945&matches=19&title=advanced+skywatching&cm_sp=works*listing*title

BARNES & NOBLE
http://productsearch.barnesandnoble.com/search/results.aspx?WRD=advanced+skywatching&page=index&prod=univ&choice=allproducts&query=ADVANCED+SKYWATCHING&flag=False&ugrp=0


Resumindo, se for possível comprem os dois livros aqui indicados, eu tenho plena convicção que aqueles que o fizerem no futuro ficarão muito satisfeitos com o valor empregado.

Paulo Bernardi


Product Details

  • Hardcover: 288 pages
  • Publisher: Time Life Medical (October 1997)
  • Language: English
  • ISBN-10: 0783549415
  • ISBN-13: 978-0783549415
  • Product Dimensions: 11.2 x 6.4 x 1.2 inches
  • Shipping Weight: 2.5 pounds
     REVIEWS...

     School Library Journal
    YAIntended as a companion to David Levy's Skywatching (Time-Life, 1995), this volume contains a wealth of material that will be of interest to dedicated amateur astronomers and effectively stands on its own. Apt quotations from literature sprinkled about the pages are a nice bonus. As in so many nonfiction titles these days, most topics are treated on two-page spreads. However, captions are brief and sidebars used carefully, resulting in a clean, uncluttered format. Introductory chapters discuss the various types of equipment that may be used for conducting skywatching projects. While many of the items will be beyond the financial means of most students, the authors stress that much can be done with just a good pair of binoculars and careful record keeping. Additional chapters provide information on the various observable phenomena, with an emphasis on what to look for and how to get the best views possible. The last third of the book consists of 20 "telescope tours" through various regions of the sky. Each area is presented first via star maps, with constellations noted in simplified insets, then with photographs of some of the more interesting features to be found in that region. The extensive bibliography includes videos, Web sites, software, and a list of organizations. Report writers are not the primary audience for this book although information can be extracted for that use. However, anyone with a serious interest in astronomy will benefit from the instructions and advice it provides.Elaine Fort Weischedel, Turner Free Library, Randolph, MA

    ANONIMOUS
     There are numerous great books on astronomy, but this is one of the best. I especially appreciate the 20 'starhopping' guides to some of the great sites (sights) in the night sky. These guides have charts which are designed to be used with a red light (as you would use when observing) and have been extremely useful to me in the field. Even the picturesque titles of each guide, such as 'A Hop Around the Big Dipper', 'A Stroll Around the Sombrero', 'Towards the Heart of Our Galaxy', 'Jewels in Cancer and Gemini', and 'A Galaxy Feast in the Furnace', make one excited to want to explore the night sky! I hope they come out with another edition including more of these guides.

    quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

    Trânsitos Exoplanetários Explicados




    Na busca por vida algures no Universo, os cientistas planetários detectaram mais de 500 planetas para lá do nosso Sistema Solar, ou exoplanetas, ao longo dos últimos 15 anos. Cerca de um-quinto destes foram descobertos ao explorar o céu por quaisquer mudanças no brilho de uma estrela que podem ter sido provocadas pela passagem de um planeta em frente dessa estrela, da perspectiva da Terra.
    (Clique no título e veja toda a reportagem)



    A Guide to Skywatching, DAVID H.LEVY

     

     

    A GUIDE TO SKYWATCHING.  

    Estamos de volta após um breve período de "Férias" muito bem utilizado para recarregar as baterias com a "Energia Cósmica" e também vasculhar a WEB na procura de novidades ou localizar antigas jóias nos sites de vendas de livros.

    Durante estes quinze dias fiquei observando se ocorreria a publicação de notícias, lançamentos de novos livros e ou apresentação de novos programas de TV voltados à Astronomia e Cosmologia.

    Como já imaginávamos as Notícias relacionadas ao nosso objeto de estudo foram divulgadas em profusão, o mesmo não aconteceu com Livros ou com Programas de TV específicos.

    A falta momentânea daquele  "NOVO LIVRO" me fez recordar um antigo, na realidade um dos primeiros livros que conseguira comprar nos EUA via Internet.

    O maravilhoso livro  A Guide to SKYWATCHING do Astrônomo / Escritor David H. Levy.

    Trata-se de um livro que desperta em seus leitores a paixão pela astronomia não só em virtude da excelencia das imagens apresentadas, mas principalmente pela forma como foi escrito, permitindo gradativamente a aquisição de novos conhecimentos independente do nível pré-existente.

    O livro de 288 páginas é dividido em sete capítulos.


    Capítulo 1 - SKYWATCHING THROUGH DE AGES

    Capítulo 2 - STARS AND GALAXIES

    Capítulo 3 - SKYWATCHING TOOLS AND TECHNIQUES

    Capítulo 4 - UNDERSTANDING THE CHANGING SKY

    Capítulo 5 - A GUIDE TO SKY

    Capítulo 6 - A TOUR OF THE SOLAR SYSTEM

    Capítulo 7 - PROBING THE UNIVERSE

     
    Podendo ser adquirido facilmente nos seguintes sites:

    ALIBRIS.


    AMAZON.

    Best choice...Menos de 1 dólar.

    BARNES AND NOBLE


    Originalmente foi publicado em 1995 sendo reeditado em 2002, com melhorias, e também em 2003.

    Um livro que não deveria faltar na biblioteca astrônomica daqueles que são apaixonados pelo assunto em tela, principalmente se levarmos em consideração que ele pode ser adquirido por menos de um dólar nos EUA. (Não foi computado o frete referente a remessa para o Brasil, também não há imposto)

    Paulo Bernardi

    Synopsis


    Skywatching is your comprehensive, indispensable guide to the magic and mystery of the heavens, from the glow of the night's first star to the splendor of distant galaxies. Authoritative, lavishly photographed and illustrated guides to the wonders of the natural world around us. Clear, accessible format, charts, diagrams, field tips, practical pointers and historical profiles.


    REVIEWS

    Library Journal

    Levy, a noted comet hunter and amateur astronomer, provides the text for this volume in a new guidebook series. Profusely illustrated, Skywatching has been well designed to advise and encourage the potential "backyard" astronomer. Brief background explanations speed the reader through relevant topics such as the history of astronomy, types of stars and other celestial objects of interest to skywatchers, and techniques and equipment for the amateur. The core of the book features a series of seasonal sky charts to be used in conjunction with a generous alphabetical arrangement of constellation maps. Viewpoints for both northern and southern hemispheres are represented, with the sky's offerings accessible through binoculars, small telescope, and the naked eye clearly set out for any approximate latitude and time of year. Although the ever-varying motions of the planets are necessarily omitted, the creators of this guidebook have supplied more than enough inspiration to send readers out in search of a sufficiently dark, unobstructed view of the night sky. For general readers. [Another volume in the "Nature Company Guide" series, Birding, is reviewed on p. 84.-Ed.]-Patrick Dunn, East Tennessee State Univ. Lib., Johnson Cit.
    --Patrick Dunn, East Tennessee State Univ. Lib., Johnson City
    Copyright 1995 Reed Business Information, Inc.

    Product Description

    A comprehensive family reference guide to all the amazing phenomena of our night skies, with helpful charts and detailed photography This comprehensive introduction to our night skies has been written by a team of expert astronomers. Their collective experience, combined with a straightforward, no-nonsense approach creates the perfect guide to understanding galaxies, eclipses, the moon and constellations. Our solar system is brought to life through extraordinary images, and our night skies made easy to understand with colourful charts. Visually exciting and always informative, Skywatching covers both the historical and scientific aspects of astronomy. / Leads you through our immediate Solar System with the Sun, the Moon and the planets / Takes you into deep space, revealing the stars, galaxies and nebulae / Comprehensive bi-monthly star charts that can be used anywhere in the world, with constellation charts showing 85 star formations / Useful information on the equipment used for skywatching, from the huge optical telescopes used by professional astronomers to makeshift observatories --This text refers to an out of print or unavailable edition of this title.

    Product Details

    • Hardcover: 288 pages
    • Publisher: Time Life Medical (September 1995)
    • Language: English
    • ISBN-10: 078354751X
    • ISBN-13: 978-0783547510
    • Product Dimensions: 11.3 x 7 x 1.4 inches
    • Shipping Weight: 2.4 pounds

    terça-feira, 18 de janeiro de 2011

    S O S = REGIÃO SERRANA - TELEFONES DISPONÍVEIS - CLIQUE

     

    Prefeitura de Friburgo divulga lista de orelhões que funcionam de graça.

    

    http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/chuvas-no-rj/noticia/2011/01/prefeitura-de-friburgo-divulga-lista-de-orelhoes-que-funcionam-de-graca.html


    CORONA HOLES - THE SUN ACTIVITY - CLICK

    O Observatório Solar Dinâmico (SDO), numa imagem capturada em luz ultravioleta extrema, em 10 de janeiro de 2011, observou um buraco negro coronal quase no centro do Sol.

    Os buracos coronais são áreas da superfície do Sol que são fonte de linhas de campo magnético, origem dos rápidos ventos solares, que "sopram" a uma velocidade constante de 800 Km/s.

    À medida que o Sol vai girando, as partículas de alta velocidade do vento solar, irrompendo deste buraco, provavelmente vão atingir a Terra em poucos dias e fazer surgir algumas auroras nas regiões polares do nosso planeta



    AN AMAZING REPORT FILM


    video


    Coronal Holes are areas where the Sun's corona is darker, colder, and has lower-density plasma than average. These were found when X-ray telescopes in the Skylab mission were flown above the Earth's atmosphere to reveal the structure of the corona. Coronal holes are linked to unipolar concentrations of open magnetic field lines. During solar minimum, coronal holes are mainly found at the Sun's polar regions, but they can be located anywhere on the sun during solar maximum. The fast-moving component of the solar wind is known to travel along open magnetic field lines that pass through coronal holes.

    The Solar Wind is a stream of charged particles ejected from the upper atmosphere of the Sun. It mostly consists of electrons and protons with energies usually between 10 and 100 keV. The stream of particles varies in temperature and speed over time. These particles can escape the Sun's gravity because of their high kinetic energy and the high temperature of the corona.

    The solar wind creates the heliosphere, a vast bubble in the interstellar medium that surrounds the solar system. Other phenomena include geomagnetic storms that can knock out power grids on Earth, the aurorae (northern and southern lights), and the plasma tails of comets that always point away from the Sun.

    The solar wind is divided into two components, respectively termed the slow solar wind and the fast solar wind.

    The slow solar wind has a velocity of about 400 km/s, a temperature of 1.4–1.6×106 K and a composition that is a close match to the corona.

    By contrast, the fast solar wind has a typical velocity of 750 km/s, a temperature of 8×105 K and it nearly matches the composition of the Sun's photosphere.

     The slow solar wind is twice as dense and more variable in intensity than the fast solar wind. The slow wind also has a more complex structure, with turbulent regions and large-scale structures.

    The slow solar wind appears to originate from a region around the Sun's equatorial belt that is known as the "streamer belt". Coronal streamers extend outward from this region, carrying plasma from the interior along closed magnetic loops.

    Observations of the Sun between 1996 and 2001 showed that emission of the slow solar wind occurred between latitudes of 30–35° around the equator during the solar minimum (the period of lowest solar activity), then expanded toward the poles as the minimum waned. By the time of the solar maximum, the poles were also emitting a slow solar wind.

    The fast solar wind is thought to originate from coronal holes, which are funnel-like regions of open field lines in the Sun's magnetic field. Such open lines are particularly prevalent around the Sun's magnetic poles. The plasma source is small magnetic fields created by convection cells in the solar atmosphere. These fields confine the plasma and transport it into the narrow necks of the coronal funnels, which are located only 20,000 kilometers above the photosphere. The plasma is released into the funnel when these magnetic field lines reconnect.

    By Wikipedia

    segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

    SHELTER BOX - ROTARY INTERNATIONAL - DISARTER RELIEF

    AJUDEM A QUEM PERDEU TUDO...

    DOE UMA "CASA" (ABRIGO) PORTÁTIL DE EMERGÊNCIA. SHELTER BOX

    Valor  aproximado de 1.700,00 Reais. Por unidade (BARRACA) para até 10 pessoas.

    S. . . O_ _ _S. . . REGIÃO SERRANA - NOVAS INFORMAÇÕES - CLIQUE

     

    MEC anuncia bolsa de R$ 350 para estudantes da Região Serrana do RJ.

    http://g1.globo.com/vestibular-e-educacao/noticia/2011/01/mec-anuncia-bolsa-de-r-350-para-estudantes-da-regiao-serrana-do-rj.html

    Governo publica decreto de luto oficial que libera recursos do FGTS.

    domingo, 16 de janeiro de 2011

    S. . . O_ _ _S. . . REGIÃO SERRANA-CLIQUE E AJUDE


    Antes de mais nada os meus votos de solidariedade aos amigos e moradores da Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro que foram vitimados com a maior catástrofe natural na história recente do Brasil.

    Que Deus ampare aos que tudo perderam e conforte àqueles que foram separados definitivamente de seus entes queridos, parentes e amigos.

    Coloco o meu blog a disposição de todos aqueles que desejarem se manifestar em apoio aos nossos irmãos das regiões afetadas,

    INFORMAÇÃO DE COMO PODEMOS JUDAR!

    Redes sociais movimentam ajuda às vítimas das chuvas na Região Serrana










    RIO DE JANEIRO - As redes sociais têm sido importantes aliadas na localização de pessoas e troca de informações sobre as regiões mais afetadas pelas chuvas na Região Serrana. O perfil do Governo do Estado do Rio de Janeiro no Twitter (www.twitter.com/GovRJ) está atuando para divulgar todas as informações das áreas de resgate e de cada uma das Prefeituras das cidades atingidas.

    A Prefeitura de Nova Friburgo, por exemplo, criou um blog (http://secompmnf.blogspot.com) onde é possível consultar a lista de pessoas que já foram salvas e estão em abrigos na região, bem como de acidentados atendidos nos Hospitais de Campanha montados pelo Governo RJ e pela Marinha Brasileira.

    Sem energia elétrica, muitas pessoas utilizam o telefone ou rádios para acessar redes sociais e divulgar a localização de grupos que ainda estão em áreas isoladas. Para facilitar o fluxo de informações nestas redes, em que toda a sociedade pode colaborar com dados locais e facilitar o trabalho das equipes da Defesa Civil nas buscas, organizamos tópicos em cada comunidade dos municípios no Orkut. Se você tem qualquer informação, troque nesses ambientes e ajude as pessoas.






    São José do Vale do Rio Preto: http://bit.ly/InfoSJVRioPreto


    Região Serrana: http://bit.ly/AjudaSerra

    Causa de solidariedade no Facebook

    Os usuários do Facebook também podem ajudar na troca de informações e reunir em um único lugar todos os dados sobre os trabalhos de resgate, doação, abrigos e reconstrução das cidades atingidas. Basta aderir à causa Solidariedade RJ  http://bit.ly/RedeInfoRJ


    Saiba onde fazer doação de alimentos e sangue

    A população do Rio de Janeiro tem se mobilizado desde o início para ajudar as vítimas na Região Serrana, visto o volume recorde de pessoas que se apresentou nos postos do Hemorio para doar sangue.

     Já há milhares de iniciativas pessoais de coleta de donativos para os desabrigados.

    Para facilitar a localização dos postos de recebimento em todo o Estado do Rio de Janeiro, criamos um mapa com todos os endereços e contatos.  http://bit.ly/eccOiO


    CAMPANHA PEIXE URBANO  DOAÇÃO DE 10,00 REAIS


    http://www.peixeurbano.com.br//sao-jose-dos-campos/ofertas/move-rio?utm_source=Oferta-SJSC&utm_medium=email&utm_campaign=EmailNews&utm_content=move-rio

    COMO AJUDAR?
    INFORMAÇÕES?
    NOTÍCIAS ATUALIZADAS?

    NOVA FRIBURGO - SITTE DA PREFEITURA.
    Informações mais atualizadas sobre o número de vítimas, sobreviventes, locais de apoio..etc.

    http://www.secompmnf.blogspot.com/

    SOS NOVA FRIBURGO - FUNDO PARA VÍTIMAS DA TRAGÉDIA

    Conta SOS Nova Friburgo

    Ag. 0335-2
    c/c. 120000-3
    Banco do Brasil





    NOVOS DOCUMENTOS PARA AQUELES QUE OS PERDERAM..

    Detran instala postos na Região Serrana

    O Detran está instalando 14 postos avançados na Região Serrana.

    O objetivo é auxiliar a segunda via da carteira de identidade para as vítimas das chuvas.

    Desde a manhã de hoje, quatro destes postos estavam sendo preparados para funcionar à tarde: dois no Centro de Assistência e Acolhimento, situado no Ginásio Esportivo Pedrão (Rua Tenente Luiz Meirelles, 211, no Centro de Teresópolis), um no Centro de Cidadania de Itaipava (Estrada União e Indústria, 11, 860), e um nas proximidades da Prefeitura de Nova Friburgo e do hospital de campanha ali implantado.

    Os postos são montados em vans. Os outros 10 veículos desse tipo serão encaminhados para locais onde a necessidade de obtenção da segunda via da Carteira de Identidade é também patente, como Sumidouro, Areal, São José do Rio Preto e outras áreas de Friburgo, Teresópolis e Petrópolis.


    


    Prefeituras divulgam lista parcial de vítimas da Região Serrana

    http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/chuvas-no-rj/noticia/2011/01/prefeituras-divulgam-lista-de-vitimas-da-regiao-serrana.html

    UM MINUTO DE SILÊNCIO EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS, OREMOS AO NOSSO DEUS!

    

    sábado, 8 de janeiro de 2011

    IS THE CORONAL SOLAR TEMPERATURE PUZZLE REALLY SOLVED ?


    Uma das coisas que não devemos de forma alguma aceitar, muito menos em termos de CIÊNCIA, são os termos FINALMENTE e DEFINITIVAMENTE.
     
    Já pensaram o que seria do desenvolvimento científico se nós tivessemos nos acomodado com as "Respostas Definitivas" que  foram encontradas apenas nestes últimos 400 anos, considerando-se  de Galileu Galilei para cá?

    Sou mais conservador, e prefiro "1000 Vezes" a palavra ênfase constante da manchete do artigo original publicado da Science News Magazine. MAYBE  (Clique no título e veja o artigo)

    Neste site abaixo também encontrei opniões diferentes quanto a "Resolução Final" do Quebra- cabeça.

    By Astro Engine

    While this research provides more clarity on coronal dynamics, McIntosh is keen to point out that Type II spicules probably don’t tell the whole coronal heating story.

    NASA’s coronal physics heavyweight James Klimchuk agrees. “It is very nice work, but it is absolutely not the final story on the origin of hot coronal plasma,” he said.

    “Based on some simple calculations I have done, spicules account for only a small fraction of the hot plasma.”


    Veja todo o Artigo


    Mas tenho que concordar, por ser um dos grandes mistérios desafiadores dos pesquisadores ao longo dos últimos 50 anos este Quebra-Cabeça pode ser considerado realmente instigante, mágico e empolgante.

    Se continuarmos esta simples "pesquisa" na WEB poderemos observar várias outras descobertas alusivas ao PUZZLE CORONAL, na realidade não existe apenas aquelas referente a elevada temperatura encontrada acima da superfície.

    Mas relacionado ao tema em tela destaco um deles o qual, para mim, pode ter uma relação direta com a descoberta "ATUAL".

    CORONAL RAIN PUZZLE by  DISCOVERY NEWS...04 de Maio de 2010


    (Clique no Link acima se desejar ver apenas o filme corrrelato)


    Resumindo os fatos...
    Devemos ter calma ao ler o artigo publicado.
    Comemoremos esta nova etapa atingida?
    Sim, mas não de forma tão exagerada!
    Bernardi

    Publicada em 07/01/2011  - O Globo 

    OSLO - Um dos maiores mistérios do Sol "acaba" de ser solucionado: o fato de sua coroa ser milhões de graus mais quente que sua superfície. Cientistas descobriram a maior fonte de gás quente que reabastece a coroa lançando jatos de plasma acima da superfície solar.

    A descoberta foi publicada na revista Science e chama atenção para uma questão fundamental na astrofísica: como a energia se move do interior do Sol para criar calor na atmosfera.

    - Sempre foi um quebra-cabeças descobrir por que a atmosfera solar é mais quente que a superfície - diz Scott McIntosh, físico solar do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR, na sigla em inglês) - Identificar que esses jatos inserem plasma na atmosfera solar aumenta nosso conhecimento sobre a sutil influência do Sol na atmosfera terrestre.

    - Estas observações fornecem uma nova compreensão sobre a produção de energia do Sol e outras estrelas - diz Rich Behnke, da Divisão de Ciências Atmosféricas e Geoespaciais.

    A pesquisa estava focada em jatos de plasma conhecidos como espículas, fontes de plasma propagados da superfície solar para a atmosfera. Por décadas os cientistas acreditaram que as espículas poderiam mandar calor para a coroa, até a década de 80, quando se descobriu as espículas não alcançavam as temperaturas da coroa.

    _O aquecimento das espículas a milhões de graus nunca foi diretamente observado, então seu papel no aquecimento da coroa foi dispensado_ diz o pesquisador Bart De Pontieu.

    Em 2007, De Pontieu, McIntosh, e seus colegas identificaram uma nova classe de espículas que se moviam muito mais rápido - frequentemente a 100 Km por segundo - e viviam menos que as tradicionais.

    O rápido desaparecimento desses jatos sugeriram que o plasma carregado poderia ser muito quente, mas a observação desse processo estava faltando. Os pesquisadores usaram então a observação da sonda não tripulada Solar Dynamics Observatory (SDO), da Nasa.

    - A alta resolução espacial e temporal dos novos instrumentos foi crucial para revelar, pela primeira vez, a conexão entre o plasma a milhões de graus e as espículas que inserem esse plasma na coroa - diz McIntosh.