segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Global Astronomy Month (GAM)

 

 

Save the Dates: April 2011 is Global Astronomy Month

April 2011 will again be a busy month for amateur and professional astronomers, educators and astronomy enthusiasts as Global Astronomy Month (GAM) returns for its second edition. The annual event, organized by Astronomers Without Borders, celebrates the Universe in the spirit of the International Year of Astronomy 2009 cornerstone project "100 Hours of Astronomy."

Astronomy clubs, science centers, schools, educators, and other astronomy enthusiasts worldwide are invited to reserve dates in April 2011 for public outreach, hands-on activities, observing sessions and more while sharing the enthusiasm with others across the globe during Global Astronomy Month. Everyone is invited either to join the global programs or initiate their own activities during April 2011
.
This is the second edition of GAM, after its launch last year, when Astronomers Without Borders (AWB) coordinated seven global events dedicated to remote observing, fighting light pollution, world peace, observations of the sky and cultural manifestations, as well as encouraging the organization of local events.

A growing list of global programs are scheduled for GAM 2011. The month kicks off with the lord of the rings on April 2/3, designated as Saturn Watch. With the planet at its closest to Earth, it's a perfect night to admire the unequaled beauty of the ringed planet. On April 9 the Global Star Party will unfold as darkness sweeps around the Earth. This is the night to set up your telescopes and share the wonders of the sky with others. From April 10 to 16 it's Lunar Week as our gaze turns toward Earth's natural satellite. Just as the Moon has captured our imagination for millennia, it never fails to fascinate with close-up views of its craters and mare. Educational and cultural events dedicated to the Moon are also planned. On April 17 we switch from night to day, dedicating ourselves to our closest star on SunDay. The month closes on a high point with a peak - of meteors. On April 21/22 get comfortable in something warm and spend the night scanning the sky for meteors caused by debris left behind by Comet Thatcher. An incredible show awaits during Lyrids Watch.

More programs are to come as GAM grows with every group of people that joins us in the celebration of the Universe. Among these are Remote Observing Programs and a Cosmic Concert.
If you need another reason to join us during Global Astronomy Month, try these:
  • GAM lets your science center or astronomy club participate in an internationally recognized project;
  • GAM provides several events to attract visitors to your institution or astronomy club;
  • GAM allows you to connect with your local community, including public authorities and the media;
  • GAM gives you the chance to inspire young people to look up and wonder. Show your commitment to educating young people.
"There's something for everyone", says Mike Simmons, President of Astronomers Without Borders. IYA2009 showed the way to involving more people than ever," and GAM is riding that wave of excitement in the discovery of our Universe."

Join the celebration in April 2011 as Global Astronomy Month brings together thousands of passionate individuals and hundreds of organizations worldwide to share their enthusiasm in innovative new ways, connecting people through a great sense of sharing the Universe! It's a month of celebrating Astronomers Without Borders' motto - One People, One Sky!

Save the dates - April 2011 is Global Astronomy Month.

by Astronomers Without Borders

domingo, 26 de dezembro de 2010

VOYAGER 1990 - Pale Blue Dot - Carl Sagan - CASSINI 2006




No dia 14 de fevereiro  de 1990  tendo completado sua missão primordial, foi enviado um comando a Voyager 1  para se virar e tirar fotografias dos planetas que havia visitado. A NASA havia feito uma compilação de cerca de 60 imagens criando neste evento único um mosaico do Sistema Solar. Uma imagem que retornou da Voyager era a Terra, a 6,4 bilhões de quilômetros de distância, mostrando-a como um "pálido ponto azul" na granulada imagem.

Sagan disse que a famosa fotografia tirada da missão Apollo 8, mostrando a Terra acima da Lua, forçou os humanos a olharem a Terra como somente uma parte do universo.

No espírito desta realização, Sagan pediu para que a Voyager tirasse uma fotografia da Terra do ponto favorável que se encontrava nos confins do Sistema Solar.  by Wikipedia

A imagem capturada pela Voyager 1 inspirou Carl Sagan a escrever um Livro


O Pálido Ponto Azul! ........Isso ocorreu em 1994.

Numa conferência em 11 de Maio de 1996, Sagan falou dos seus pensamentos sobre a histórica fotografia



From this distant vantage point, the Earth might not seem of particular interest. But for us, it's different. Look again at that dot. That's here, that's home, that's us.

On it everyone you love, everyone you know, everyone you ever heard of, every human being who ever was, lived out their lives. The aggregate of our joy and suffering, thousands of confident religions, ideologies, and economic doctrines, every hunter and forager, every hero and coward, every creator and destroyer of civilization, every king and peasant, every young couple in love, every mother and father, hopeful child, inventor and explorer, every teacher of morals, every corrupt politician, every "superstar," every "supreme leader," every saint and sinner in the history of our species lived there – on a mote of dust suspended in a sunbeam.

The Earth is a very small stage in a vast cosmic arena. Think of the rivers of blood spilled by all those generals and emperors so that, in glory and triumph, they could become the momentary masters of a fraction of a dot. Think of the endless cruelties visited by the inhabitants of one corner of this pixel on the scarcely distinguishable inhabitants of some other corner, how frequent their misunderstandings, how eager they are to kill one another, how fervent their hatreds.

Our posturings, our imagined self-importance, the delusion that we have some privileged position in the Universe, are challenged by this point of pale light. Our planet is a lonely speck in the great enveloping cosmic dark. In our obscurity, in all this vastness, there is no hint that help will come from elsewhere to save us from ourselves.

The Earth is the only world known so far to harbor life. There is nowhere else, at least in the near future, to which our species could migrate. Visit, yes. Settle, not yet. Like it or not, for the moment the Earth is where we make our stand.

It has been said that astronomy is a humbling and character-building experience. There is perhaps no better demonstration of the folly of human conceits than this distant image of our tiny world.

To me, it underscores our responsibility to deal more kindly with one another, and to preserve and cherish the pale blue dot, the only home we've ever known.


A photo from the Cassini spacecraft shows the mighty planet Saturn, and if you look very closely between its wing-like rings, a faint pinprick of light. That tiny dot is Earth bustling with life as we know it. The image is the second ever taken of our world from deep space. The first, captured by the Voyager spacecraft in 1990, stunned many people, including the famous astronomer Carl Sagan who called our seemingly miniscule planet a "pale blue dot" and "the only home we've ever known."
(Clique no título e veja imagem da sonda Cassini)

sábado, 25 de dezembro de 2010

GIGANTESCA CME (Coronal Mass Ejection) É REGISTRADA

Filamentos Magnéticos estão sendo ejetados do Sol com uma freqüência bem incomum nestas duas últimas semanas e as imagens proporcionadas pelo evento estão sendo registradas por instrumentos existentes no Solar and Heliospheric Observatory.(SoHO).
(Clique no título e veja cobertura completa)

Esta atividade fora da curva normal de ocorrência tem proporcionado imagens de grande impacto. 
(Veja registro efetuado neste blog  no início do mês de Dezembro)

No dia 12 de Dezembro ocorreu uma " Tripla Emissão de Massa Coronal "registrada pelo satélite SoHO.





Um outro evento de proporção significativa ocorreu no último dia 16 de Dezembro por volta das 0800 UT quando um filamento desprendeu-se para fora da superfície estelar proporcionando então Ejeção de Massa Coronal.  

Instrumentos a bordo do SoHO também registraram o momento da expansão desta núvem gigantesca.
(Clique na imagem e veja na sequência fotográfica o tamanho da CME)




 A imagem acima é cortesia de spaceweather.com


sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

ETA CARINA ! Um Show de Objeto. Não é mesmo Denise ?

NGC 3372 - The Eta Carinae Nebula

The Eta Carinae Nebula is a giant nebula 9000 light years from us in the Sagittarius Arm of the Galaxy. Although it is a large distance from us, the central region of this nebula is bright enough to see with the naked eye (although only from equatorial and southern latitudes on Earth). The vivid colours seen in pictures of nebulae usually only appear on photographs, the human eye is not very sensitive to dim colours, and so with the naked eye a nebula such as the Eta Carinae Nebula only appears to be white.

The Eta Carina Nebula
The Eta Carinae Nebula. Image size: 3.0°x2.5°. DSS image. © AAO/ROE
 

The Nebulae associated with the Eta Carinae Nebula

The Eta Carinae nebula is classified as NGC 3372, it covers about three degrees of the sky which at a distance of 8800 light years corresponds to a diameter of about 460 light years. Two other nebulae have been added to the list below, but they are probably neighbouring nebulae not connected to the Eta Carinae nebula. They have very uncertain distances but they are probably also in the Sagittarius Arm.
1              2              3          4     5       6      7        8
Catalogue    Equatorial      Galactic     Size   Type Distance Size  Other Names
Number       Coordinates    Coordinates (arcmins)       (ly)   (ly)
            RA (2000) Dec     l°     b°
---------------------------------------------------------------------------------------
NGC 3199   10 17.4  -57 55  283.6   -0.9    22'   E     7000?    45?
NGC 3372   10 45.1  -59 52  287.7   -0.8   180'   E     8800    460  Eta Carinae Nebula
NGC 3503   11 01.3  -59 51  289.5   +0.1     3'   E    10000?    10?
Column 1: The standard catalogue name for the nebula.
Column 2: Right Ascension and Declination for epoch 2000.
Column 3: Galactic Longitude (l) and Latitude (b).
Column 4: Angular size of the nebula in arcminutes.
Column 5: Nebula type: E = emission, R = reflection.
Column 6: Approximate distance to the nebula.
Column 7: Approximate size of the nebula in light years.
Column 8: Alternative name of the nebula.

Star clusters associated with the Eta Carinae Nebulae

There a lot of star clusters in the vicinity of the Eta Carinae nebula. Many of them are probably foreground clusters in front of the nebula. Two of these clusters are definitely within the nebula - Trumpler 14 and Trumpler 16. Trumpler 16 includes the star Eta Carinae as one of its member stars.
1                 2              3          4        5       6          7
Catalogue       Equatorial      Galactic     Size   Distance   Age    Other Names
Name            Coordinates    Coordinates (arcmins)  (ly)  (million
               RA (2000) Dec     l°    b°                     years)
-----------------------------------------------------------------------------------------
BH 90         10 11.9  -58 04  283.1  -1.5     4'     8400      88
IC 2581       10 27.5  -57 37  284.6  +0.0     5'     8000      14
NGC 3293      10 35.8  -58 14  285.9  +0.1     6'     7600      10    Gem Cluster
NGC 3324      10 37.4  -58 39  286.2  -0.2    12'     7550       6
Collinder 228 10 42.1  -59 55  287.4  -1.0    14'     7200       7
Bochum 10     10 42.3  -59 08  287.0  -0.3    20'     6600       7
Trumpler 14   10 44.0  -59 33  287.4  -0.6     5'     8900       7
Trumpler 15   10 44.8  -59 22  287.4  -0.4    14'     6050       8
Trumpler 16   10 45.0  -59 43  287.6  -0.7    10'     8700       6    Eta Carinae Cluster
Collinder 232 10 45.0  -59 33  287.5  -0.5     4'     7850       5
Bochum 11     10 47.3  -60 05  288.0  -0.9    21'     7850       6
Ruprecht 92   10 53.8  -61 45  289.5  -2.0     7'     7700      63
Trumpler 17   10 56.5  -59 12  288.7  +0.4     5'     7150      51
Bochum 12     10 57.5  -61 43  289.9  -1.8    10'     7250      41
Column 1: The standard catalogue name for the cluster. Column 2: Right Ascension and Declination for epoch 2000. Column 3: Galactic Longitude (l) and Latitude (b). Column 4: Angular size of the cluster in arcminutes. Column 5: Distance to the cluster. Column 6: Approximate age of the cluster in millions of years. Column 7: Alternative name of the cluster. References: Dias W, Alessi B, Moitinho A, Lépine J, (2002). New catalogue of optically visible open clusters and candidates. Astron and Astrophys, 389, 871.

A Map of the Eta Carinae Nebula

Below is a map of the star clusters and nebulae in the region of the Eta Carinae nebula. The Eta Carinae nebula is a large complex nebula with many recently formed stars within it. To the left of the Eta Carinae nebula is a second much fainter (and possibly more distant) nebula around NGC 3503. The name NGC 3503 however, only refers to a tiny bright patch of this nebula.

A map of the Eta Carina nebula

The location of the Eta Carinae Nebula

The location of the Eta Carina nebula The distance to the Eta Carinae is known fairly accurately because there are two star clusters buried at the heart of the nebula (Trumpler 14 and Trumpler 16). The nebula is about 8800 light years away and lies in the Sagittarius Arm. The Eta Carinae nebula is an example of the type of giant nebula which could be seen from far above the Galaxy, hundreds of thousands of light years away.

The Reason Why Emission Nebulae are Red

The reason why most bright nebulae are red is because they consist mostly of hydrogen. When hydrogen glows, it emits bright red light. This graph, below, shows the intensity of light from the Eta Carinae Nebula. It is a typical emission nebula spectrum. The strongest emission comes from the red hydrogen-alpha line (at 656 nanometres) although hydrogen also emits some weaker blue light (these are the hydrogen beta, gamma and delta lines at 486nm, 434nm and 410nm). 

The only other important optical emission is due to the presence of oxygen - these are the two [OIII] lines at 501nm and 496nm. In planetary nebulae this can often be the strongest source of light and it gives some planetary nebulae a characteristic blue-green colour. 

An emission nebula spectrum

References: Hua C, Llebaria A, (1981), Optical Spectrum of the Filamentary HII Region North of the Carina Complex. Astron and Astrophys, 94, 12.

Eta Carinae

At the heart of the Eta Carinae nebula is one of the most remarkable stars known. Before 1840, Eta Carinae looked like an ordinary naked eye star. In 1840, it began to brighten and by 1848 it had become the second brightest star in the sky. It slowly faded again, and by 1880 it was below naked-eye visibility.

In the picture below, the star, Eta Carinae, is shown. It lies next to the 'Keyhole nebula', a dark nebula with a keyhole shape, although it seems likely that the keyhole was darker in the late nineteeth century when it was first named. The star Eta Carinae does not look spectacular although it has brightened slightly since the late nineteeth century and it is now at the limit of naked-eye visibility.

The Keyhole Nebula

The Keyhole Nebula. Image size: 0.25°x0.25°. DSS image.
 
Eta CarinaEta Carinae is a supermassive star. It may, actually, be two supermassive stars, very close to each other, with a mass of about sixty or seventy Suns each. The image to the right is the best photograph of it taken with the Hubble Space Telescope. The star (or stars) lies at the centre of two expanding globules of dust and gas which were ejected during the 1848 eruption. The dust makes the star look dimmer than it actually is. If we could put Eta Carinae at the same distance from us as the Sun, then it would be about five million times brighter than the Sun.
by An Atlas of Universe

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

FELIZ NATAL! MERRY CHRISTMAS!

Desejo a todos vocês meus caros Amigos, Parentes, Visitantes e Seguidores do Ad Astra...Cosmological Questions.

Muita PAZ, SAÚDE, HARMONIA e PROSPERIDADE.



Que Deus os ilumine sempre.

referente a: Google (ver no Google Sidewiki)

My Favorites Stories ! Star of Bethlehen and Louis Pasteur Life!



Pasteur saw no conflict between science and Christianity. 

In fact, he believed that ‘science brings men nearer to God’. In his work as a scientist, he perceived evidence of wisdom and design, not randomness and chaos. 

Pasteur stated that: ‘The more I study nature, the more I stand amazed at the work of the Creator’.

Cartão de Visitas
Um senhor de 70 anos viajava de trem tendo ao seu lado um jovem universitário, que lia o seu livro de ciências. O senhor, por sua vez, lia um livro de capa preta. Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia e estava aberta no livro de Marcos. Sem muita cerimônia o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou: 
- O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices? 

- Sim, mas não é um livro de crendices. É a Palavra de Deus. Estou errado? 

- Mas é claro que está! Creio que o senhor deveria estudar a História Universal. Veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, mostrou a miopia da religião. Somente pessoas sem cultura ainda crêem que Deus tenha criado o mundo em seis dias. O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os nossos cientistas pensam e dizem sobre tudo isso. 

- É mesmo? E o que pensam e dizem os nossos cientistas sobre a Bíblia? 

- Bem, respondeu o universitário, como vou descer na próxima estação, falta-me tempo agora, mas deixe o seu cartão que eu lhe enviarei o material pelo correio com a máxima urgência. 

O velho então, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó e deu o seu cartão ao universitário. 
Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo sentindo-se pior que uma ameba.

No cartão estava escrito: 

Professor Doutor Louis Pasteur, Diretor Geral do Instituto de Pesquisas Científicas da Universidade Nacional da França. 

‘Um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito, nos aproxima’. Louis Pasteur.
 
(Cartão de visitas - Fato verdadeiro, integrante da biografia de Louis Pasteur, ocorrido em 1892)

Feliz Natal! ......Merry Christmas!! ......Feliz Navidad!


Um Feliz Natal para todos!

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Gliese 581g pode estar em Zona Habitável !

Crédito NSF

O mundo extraterrestre de Gliese 581g tem recebido ultimamente muita atenção devido à possibilidade de ser um mundo habitável, mas o caso do seu vizinho mais próximo ser outro um bom candidato a habitabilidade está também a crescer.

 Novas investigações sugerem que Gliese 581d, outro planeta descoberto em torno da estrela Gliese 581, pode muito bem situar-se dentro da "zona habitável" da estrela - a distância perfeita para permitir a existência de água no estado líquido. A descoberta segue de perto um estudo similar, publicado este ano, que alcançou a mesma conclusão provisória.
 
"O fato dos dois modelos descobrirem condições para a água líquida existir, sugere fortemente que seja possível," afirma o autor principal do novo estudo, Philip von Paris do Instituto de Investigação Planetária do Centro Aeroespacial da Alemanha em Berlim. "Não parece impossível a hipótese de habitabilidade."
 
Gliese 581 é uma anã vermelha localizada a 20 anos-luz da Terra, um "saltinho" no esquema cósmico das coisas. Os astrônomos detectaram seis planetas em órbita da estrela.
 
Gliese 581g tem cerca de 3 vezes a massa da Terra e é provavelmente um mundo rochoso. Também está situado mesmo no meio da zona habitável, o que o torna num dos candidatos principais para conter água líquida e vida como a conhecemos - caso o planeta exista.

Mas alguns cientistas questionam a análise usada para descobrir o planeta, e dizem que não conseguem confirmar Gliese 581g em estudos posteriores. Os descobridores do planeta, no entanto, batem o pé no que toca ao seu achado.
 
Os dois planetas que rodeiam ambos os lados de Gliese 581g raspam os limites da zona habitável e por isso inspiraram interesse e intriga desde a sua descoberta em 2007. O vizinho interior de Gliese 581g, 581c, foi já um bom candidato para a água líquida, mas os estudos mostraram que um efeito de estufa provavelmente torna o planeta demasiado quente.
 
Gliese 581d, por outro lado, orbita para lá de 581g, longe o suficiente para que os investigadores pensassem logo que era demasiado frio para suster vida. Mas de acordo com o novo estudo, um forte efeito de estufa pode aquecer 581d substancialmente, talvez o suficiente para suportar água líquida.

 Gliese 581d tem provavelmente sete, oito vezes a massa da Terra, e os astrónomos suspeitam que é rochoso tal como o nosso planeta. A gravidade deste exoplaneta é provavelmente forte o suficiente para conter uma atmosfera, embora os investigadores tenham ainda que confirmar e caracterizá-la.

 Von Paris e a sua equipe modelaram as condições superficiais que podem resultar em 581d a partir de diferentes tipos de atmosfera, usando o nosso Sistema Solar como guia. Eles assumiram, por exemplo, uma atmosfera composta por vapor de água, dióxido de carbono e nitrogénio - elementos encontrados na atmosfera de planetas rochosos com a Terra, Marte e Vénus.
 
A equipe de pesquisa correu simulações em concentrações diferentes de dióxido de carbono, imitando os níveis descobertos no nosso Sistema Solar. Várias simulações assumiram diferentes quantidades de CO2 presentes cá na Terra, na Terra primordial e em Marte e Vénus actualmente.

O modelo da equipe também fez variar a pressão atmosférica, de baixa para alta.
 
No fim, os investigadores descobriram que alguns destes cenários atmosféricos resultaram em temperaturas superficiais médias de 0 graus Celsius - o que significa que Gliese 581d pode albergar água líquida.
 
Uma atmosfera com pressão média ou alta e com 95% de CO2 seria suficiente, descobriram. Tal como uma alta pressão com apenas 5% de CO2.

"É muito excitante descobrir que, mesmo com uma atmosfera com 5% de dióxido de carbono, obtivemos condições habitáveis num caso," afirma von Paris.
 
Outro estudo atmosférico publicado no início deste ano também sugeria um forte efeito de estufa - e com grandes quantidades de CO2 - o que tornaria Gliese 581d quente o suficiente para albergar água líquida.
 
Outras equipes científicas chegaram a conclusões similares nos últimos anos.

Tais trabalhos, embora intrigantes, permanecem provisórios e especulativos. Von Paris e a sua equipa seguiram o nosso próprio Sistema Solar, mas o seu modelo tem por base palpites.
 
"O problema, claro, é que não se sabe nada acerca da atmosfera," realça Von Paris.

 Os astrônomos nem sabem com certeza se Gliese 581d é um planeta rochoso como a Terra, Marte ou Vénus. Pensam que sim, com base no seu tamanho, mas são necessários mais estudos para confirmá-lo.

Embora von Paris seja o primeiro a mencionar estes limites e desconhecidos, está excitado acerca da possibilidade de 581d poder suportar água líquida - especialmente dado que o Universo é tão vasto e a procura por planetas extrasolares está ainda na sua infância.

Os astrônomos já descobriram mais de 500 exoplanetas, o primeiro descoberto há menos de 20 anos, em 1992.

"Gliese 581 é uma vizinha nossa e está entre as 100 estrelas mais próximas," acrescenta von Paris. "Do meu ponto de vista, isto implica que tais planetas possam ser razoavelmente comuns.

by Astronomia On Line 



Drop Down Menu Iframe
















terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Eclipse Lunar , Vídeo em HD

Winter Solstice Lunar Eclipse from William Castleman on Vimeo.

EXTRA ! - "ASSASSINATO" DE PLUTÃO É DESTAQUE NO JORNAL DA CIÊNCIA!

Jornal da Ciência




MIKE BROWN, EM TOM CARICATO, COLOCA PLUTÃO NOVAMENTE NA MÍDIA.

Em 2006, o rebaixamento de Plutão foi oficializado, e Brown foi escolhido pela revista "Time" uma das cem pessoas mais influentes daquele ano. A seguir, ele revela à Folha seus sentimentos pela "morte" e comenta seu papel na história toda,

_"EU MATEI PLUTÃO, ELE MERECEU!"  CONFESSOU O PESQUISADOR.


Clique no título e veja a reportagem completa editada na FOLHA!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Solving the Mystery of Dark Gamma Ray Bursts


Clique no título ou siga direto para o "Paper" abaixo se desejar adquiri-lo.

NÃO PERCA O ÚLTIMO ECLIPSE LUNAR TOTAL DE 2010, MESMO ESTANDO O CÉU TOTALMENTE ENCOBERTO.


ONDE ESTÁ O CÉU?

Sabemos que por vezes isso acontece não é mesmo.
E não é raro em virtude do período da estação.
Como? Com  você isto nunca aconteceu?
Fala a verdade!
Nem mesmo quando comprastes aquela ocular ou o tão sonhado telescópio?
Você teve muita sorte, mas estás fora da curva normal.( Risos )


Pois bem.....

O dia se mostrou maravilhoso "Um Sol de Rachar o Quengo" passeou imponente pela Eclíptica como que demonstrando seu poder de Astro Rei, os amigos, astrônomos ou não, já foram reunidos e estão muito animados para o eclipse desta noite, os equipamentos já foram testados e esperam reunidos o momento mágico que chegará mais tarde, Binóculos, Telescópios, Cameras Fotográficas  e Filmadoras Digitais  já estão posicionadas de forma perfeita, os computadores, com toda a programação para o evento, também aguardam, as planilhas, que foram detalhadamente elaboradas para servirem de base para cronometragem de pontos de contato, estão sobre a mesa de trabalho e ai...



....o tempo fecha de forma definitiva, impedindo qualquer possibilidade de se acompanhar o último eclipse do ano.

FALA SÉRIO GALERA !!

ISSO DEIXA QUALQUER UM DE NÓS 'FULO DE RAIVA' NÃO É MESMO?

Mas não podemos DESANIMAR NUNCA, vida que segue e a nossa saga de astrônomo "fulo" também.

Para nos ajudar neste momento podemos utilizar os recursos de TI existentes na Internet.

Vários locais no mundo estarão com suas cameras monitorando e transmitindo o ECLIPSE ONLINE.
Clique no título acima e siga as orientações existentes no site do AWB para o acompanhar do evento.

OBSERVE A LISTA DE BROADCASTERS DISPONÍVEIS !



A NASA também estará disponibilizando seu BroadCaster.

Live Video of the Lunar Eclipse

If you don't want to brave the December chill, or if your weather doesn't cooperate for lunar viewing, we have you covered! A live video feed of the lunar eclipse will be embedded on this page on Dec. 20. The camera is mounted at NASA's Marshall Space Flight Center in Huntsville, Ala.





DESEJO UM ÓTIMO ECLIPSE  PARA TODOS VOCÊS MEUS AMIGOS!

PREFERENCIALMENTE SEM ESTA TI EMBARCADA.
AO MENOS NÃO DE FORMA EXCLUDENTE.


sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Book of the COSMOS, The Scientific American, by David H. Levy


Editorial Reviews

Product Description

Contributors to this volume aim to provide the layperson with the fundamental concepts of cosmology - the science of the origin and structure of the universe. Topics covered include: the Big Bang Theory and the birth and expansion of the universe; the formation of galaxies; the creation of the Milky Way; star death and birth; the cration of the Solar System; the birth of our Sun and a tour of the nine planets; and an exploration of life on earth and the possibility of discovering intelligent extraterrestrial life elsewhere in the universe. --This text refers to an out of print or unavailable edition of this title.

About the Author

David H. Levy is the author of several books, including Skywatching, More Things in Heaven, Sharing the Sky, and The Ultimate Universe, a book-and-CDROM that was a Main Selection of the Astronomy Book Club. Levy also succeeded Carl Sagan as Science columnist for Parade magazine

Product Details

  • Hardcover: 416 pages
  • Publisher: St. Martin's Press; 1st edition (November 22, 2000)
  • Language: English
  • ISBN-10: 0312254539
  • ISBN-13: 978-0312254537
  • Product Dimensions: 9.6 x 7.8 x 1.3 inches

BACK COVER...

Finally, the entire body of our scientific knowledge of the universe is available in one definitive volume. Scientific American, the oldest and most popular science magazine in the world, has prepared the most comprehensive and comprehensible book on the subject ever.

Under the direction of renowned astronomer David H. Levy, this spectacular book assembles the best minds in science to give clear and accessible explanations of the nature of the cosmos. Newly commissioned essays by working scientists at the top of their fields and classic writings by such luminaries as Albert Einstein, Francis Crick, and Carl Sagan take us to the frontiers of space and time-from sub-atomic particles to the edge of the universe.

Both thoughtful and provocative, this book asks-and answers-the big questions, such as:

o How did our solar system evolve?
o What forces lie at the center of the atom?
o What is the size of the universe?
o What is dark matter?
o What is the possibility of extraterrestrial life?
o What is the importance of superstrings?
o How do galaxies form?

Dazzling full-color and black-and-white photographs aid in articulating the latest theories about the size, age, nature, and expansion of the universe, and make this book a delight to behold. Essays are grouped by topic, from the largest phenomena, such as the formation of the universe, down to the smallest detail, such as the makeup of an atom. In addition, each section contains an illuminating introduction by David Levy that binds the essays together and creates a whole picture.
The Scientific American Book of the Cosmos is a valuable addition to the bookshelf of both professional astronomers and science enthusiasts alike.

EM PORTUGUÊS...

O Livro é muito bom.

Uma ótima aquisição encontrada nos EUA por apenas 0,42 Cents.
                                       INCRÍVEL!
Este foi o preço mínimo encontrado no site da AMAZON.
                                      ACREDITE!

Book of the COSMOS (SCIENTIFIC AMERICAN), by David H. LEVY

O livro de capa dura, possui 416 páginas e tem um total de dez capítulos magistralmente escritos.

O curioso deste livro é que cada capítulo tem uma introdução própria feita pelo autor.

É um livro que irá agradar tanto os astrônomos profissionais quanto os astrônomos amadores.

(Clique no título e veja os preços na Amazon, importação direta, sem imposto, +  Frete Brasil)

LIVRO DE OURO DO UNIVERSO - R. MOURÃO




LIVRO DE OURO DO UNIVERSO, By RONALDO ROGÉRIO MOURÃO DE FREITAS.


O Homem contemplou sempre com deslumbre o Céu Estrelado.



Admiração que se fez acompanhar, desde épocas remotas, pela sede de melhor conhecer e compreender o Universo. Nesse trajeto fez descobertas fantásticas, realizou conquistas inimagináveis.


O LIVRO DE OURO DO UNIVERSO traz uma síntese deste emocionante percurso.



Big-Bang, Quarks, Buracos Negros, Estrelas, como objetos a serem observados.


Ptolomeu, Copérnico, Kepler, Galileu, Newton, como estudiosos másters do assunto.

Esta é a primeira viagem que faremos juntos. Uma maravilhosa, diferente, por mundo quase desconhecidos. Por isso, prepare-se. Deixe de lado as preocupações. Esqueça-se da Terra e procure imaginar o mais lindo céu.


Com este convite, Ronaldo Mourão leva o leitor de O Livro de Ouro do Universo a visitar constelações, asteroides, planetas, cometas, meteoros, meteoritos e muito mais.


Em sua contracapa existe um importante depoimento de um leitor não menos conhecido.


“Não me comparo a Dante, mas sinto em seus escritos algo que me lembra de Virgílio devassando os espaços estelares ao florentino. LER você é viajar pelo mistério cósmico, explicado dentro do possível científico. E isto é fascinante”
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE.


O livro de 509 páginas é dividido em quase 100 capítulos.



Foi editado pela EDIOURO em sua Sexta Edição em 2002.
No momento encontra-se esgotado nas Livrarias mais conhecidas.



O seu preço de catálogo é de 58,90 Reais.


O livro é mais uma obra de qualidade do nosso mestre Mourão. Encontrando este livro disponível nos Sebos, com amigos, no Mercado Livre ou em outro site de busca, não perca a oportunidade de adquiri-lo, acredite valerá o valor pedido, normalmente 80% do preço de catálogo


Em tempo; Ontem a noite ao passar na Banca de Jornal  que fica próximo ao meu apartamento aqui em SJC SP descobri que a PocketOuro relançou a preço promocional 24,90 este livro.


Assim   INFORMO  AOS  LEITORES E SEGUIDORES DESTE BLOG  QUE;


Chegou dia 17 Dezembro nas bancas o LIVRO DE OURO DO UNIVERSO no formato Pocket Book.


Escrevo na madrugada do dia 18.

ASTRORED, SIMPLESMENTE... MEMORÁVEL!



O Site ASTRORED é uma referência para todos àqueles que desejam dar início aos seus estudos no maravilhoso Universo da Astronomia.

Foi um dos primeiros sites que visitei quando comecei a estudar com mais vontade a Ciência Astronomia.

Logo se tornou um dos meus preferidos.

Ele quase desapareceu, e se não fosse o empenho hercúleo de seu mantenedor e amigos que o auxiliaram à alguns anos atrás teríamos perdido este importante ponto de início  e apoio ao estudo astronômico. 

Por isso se puderem colaborem com o ASTRORED.

Como voces sabem  é muito difícil encontrar um site que reúna além dos vários campos abordados pela Astronomia também as ferramentas úteis na pesquisa inerente tais como; aulas, vídeos, fotos, links importantes, chats etc...

POIS BEM O ASTRORED FAZ ISSO DE UMA MANEIRA MUITO PRÁTICA E INTELIGENTE.

O ASTRORED é editado em ESPANHOL.
O que o torna-rá muito útil para todos àqueles que ainda não dominam com facilidade o idioma Inglês.

Uma das coisas que o diferem positivamente de outros sites existentes é o seu Curso de Astronomia.
Muito bom para você que não tem muito tempo para seguir outros cursos muito longos.

Para encontrá-lo no site http://www.astrored.org/  vá até a sua barra inicial, clique em "Iniciacion", depois em  "2 Curso de Astronomia".

A página inicial do curso será apresentada desta forma...



El curso de astronomía  está íntegramente dirigido a todas aquellas personas que sientan fascinación por la belleza de los astros, tales como:
  • los curiosos,
  • los astrónomos aficionados novatos,
  • los astrónomos consagrados
Pero fundamentalmente va dedicado a los dos primeros.

Generalmente, todo aquél que empieza maravillado ante la belleza de un cielo estrellado se convierte a la larga en un potencial astrónomo aficionado. Siempre se empieza sólo, ya que la astronomía es una afición solitaria, y en ello radica una de sus delicias.

El principiante pensará que su introducción en esta hermosa ciencia es dificil, encontrándose en su camino con una serie de dificultades. Lo ideal es toamr unas indicaciones a seguir, es decir, el debutante tiene que elegir un buen camino para vencer las dificultades y avanzar en el estudio de la astronomía.

Por ello, lo que intento ofrecer al astrónomo aficionado es, sobre todo, INFORMACION a través de un CURSO ASTRONOMICO... para que pueda abrirse camino en el fascinante mundo del firmamento.



Puedes pulsar en "COMENZAR EL CURSO" para verlo a través del Web.

También está disponible en formato PDF.


Outra providencial página do site é o seu Glossário com mais de 4000 itens.

Resumindo é um site que não pode, de forma alguma, ser esquecido por parte daqueles que procuram na Internet por informações voltadas à Astronomia, Cosmologia e Conquista Espacial.

Visite-o !  Você vai gostar...e muito.

Get ready for a total eclipse of the Moon - Astronomy Magazine

 A Total Eclipse of the Moon -

Scientists from Arsenic Bacteria Paper Respond to Criticisms

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

NASA Probe Sees Solar Wind Decline



PASADENA, Calif. – The 33-year odyssey of NASA's Voyager 1 spacecraft has reached a distant point at the edge of our solar system where there is no outward motion of solar wind.

Artist concept of Voyager
Artist concept of the two Voyager spacecraft as they approach interstellar space. Image credit: NASA/JPL
+ Larger view

Now hurtling toward interstellar space some 17.4 billion kilometers (10.8 billion miles) from the sun, Voyager 1 has crossed into an area where the velocity of the hot ionized gas, or plasma, emanating directly outward from the sun has slowed to zero. Scientists suspect the solar wind has been turned sideways by the pressure from the interstellar wind in the region between stars.

The event is a major milestone in Voyager 1's passage through the heliosheath, the turbulent outer shell of the sun's sphere of influence, and the spacecraft's upcoming departure from our solar system.

"The solar wind has turned the corner," said Ed Stone, Voyager project scientist based at the California Institute of Technology in Pasadena, Calif. "Voyager 1 is getting close to interstellar space."

Our sun gives off a stream of charged particles that form a bubble known as the heliosphere around our solar system. The solar wind travels at supersonic speed until it crosses a shockwave called the termination shock. At this point, the solar wind dramatically slows down and heats up in the heliosheath.

Launched on Sept. 5, 1977, Voyager 1 crossed the termination shock in December 2004 into the heliosheath. Scientists have used data from Voyager 1's Low-Energy Charged Particle Instrument to deduce the solar wind's velocity. When the speed of the charged particles hitting the outward face of Voyager 1 matched the spacecraft's speed, researchers knew that the net outward speed of the solar wind was zero.

This occurred in June, when Voyager 1 was about 17 billion kilometers (10.6 billion miles) from the sun.

Because the velocities can fluctuate, scientists watched four more monthly readings before they were convinced the solar wind's outward speed actually had slowed to zero. Analysis of the data shows the velocity of the solar wind has steadily slowed at a rate of about 20 kilometers per second each year (45,000 mph each year) since August 2007, when the solar wind was speeding outward at about 60 kilometers per second (130,000 mph). The outward speed has remained at zero since June.

The results were presented today at the American Geophysical Union meeting in San Francisco.

"When I realized that we were getting solid zeroes, I was amazed," said Rob Decker, a Voyager Low-Energy Charged Particle Instrument co-investigator and senior staff scientist at the Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory in Laurel, Md. "Here was Voyager, a spacecraft that has been a workhorse for 33 years, showing us something completely new again."

Scientists believe Voyager 1 has not crossed the heliosheath into interstellar space. Crossing into interstellar space would mean a sudden drop in the density of hot particles and an increase in the density of cold particles. Scientists are putting the data into their models of the heliosphere's structure and should be able to better estimate when Voyager 1 will reach interstellar space. Researchers currently estimate Voyager 1 will cross that frontier in about four years.




"In science, there is nothing like a reality check to shake things up, and Voyager 1 provided that with hard facts," said Tom Krimigis, principal investigator on the Low-Energy Charged Particle Instrument, who is based at the Applied Physics Laboratory and the Academy of Athens, Greece. "Once again, we face the predicament of redoing our models."

A sister spacecraft, Voyager 2, was launched in Aug. 20, 1977 and has reached a position 14.2 billion kilometers (8.8 billion miles) from the sun. Both spacecraft have been traveling along different trajectories and at different speeds. Voyager 1 is traveling faster, at a speed of about 17 kilometers per second (38,000 mph), compared to Voyager 2's velocity of 15 kilometers per second (35,000 mph). In the next few years, scientists expect Voyager 2 to encounter the same kind of phenomenon as Voyager 1.

The Voyagers were built by NASA's Jet Propulsion Laboratory in Pasadena, Calif., which continues to operate both spacecraft.

For more information about the Voyager spacecraft, visit: http://www.nasa.gov/voyager .
JPL is a division of the California Institute of Technology in Pasadena

Português. (by ASTRONOMIA ON LINE)

A odisseia de 33 anos da sonda Voyager 1 da NASA alcançou um ponto distante da fronteira do nosso Sistema Solar, onde não existe movimento externo do vento solar.

Agora viajando na direcção do espaço interestelar a uns 17,4 mil milhões de quilómetros do Sol, a Voyager 1 alcançou uma área onde a velocidade do gás quente ionizado, ou plasma, que emana para fora do Sol, diminuiu para zero. Os cientistas suspeitam que o vento solar está agora "de lado" devido à pressão do vento interestelar na região entre as estrelas.

O evento é um grande marco na passagem da Voyager 1 pela concha turbulenta da esfera de influência do Sol e da sua futura despedida do nosso Sistema Solar.

"O vento solar 'virou a esquina'", afirma Ed Stone, cientista do projecto Voyager no Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena, EUA. "A Voyager 1 aproxima-se do espaço interestelar."

O nosso Sol liberta uma corrente de partículas carregadas que formam uma bolha conhecida como heliosfera em torno do Sistema Solar. O vento solar viaja a velocidades supersónicas até que atravessa uma onda de choque denominada choque de terminação. Neste ponto, o vento solar diminui dramaticamente de velocidade e aquece.

Ilustração de artista da sonda Voyager 1.
Crédito: NASA/JPL 

Lançada a 5 de Setembro de 1977, a Voyager 1 atravessou o choque de terminação em Dezembro de 2004. Os cientistas usaram os dados do LECPI (Low-Energy Charged Particle Instrument) para deduzir a velocidade do vento solar.

Quando a velocidade das partículas carregadas que atingem o lado da sonda contrário ao do Sol coincidiram com a sua velocidade, os pesquisadores souberam que a velocidade do vento solar era zero. Isto ocorreu em Junho, quando a Voyager 1 estava a 17 mil milhões de quilómetros do Sol.

Dado que as velocidades podem flutuar, os cientistas registaram mais quatro leituras mensais antes de se convencerem que a velocidade do vento solar tinha realmente diminuído para zero. A análise dos dados mostra que a velocidade de vento solar diminuiu firmemente a cerca de 72.420,48 km/h por ano desde Agosto de 2007, quando o vento solar viajava a cerca de 209.214,72 km/h. A velocidade permanece nula desde Junho.

"Quando me apercebi que estávamos a receber zeros sólidos, fiquei impressionado," afirma Rob Decker, co-investigador do LECPI da Voyager e cientista do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins em Laurel, Maryland, EUA. "Aqui estava a Voyager, uma sonda que trabalha arduamente há já 33 anos, mostrando-nos outra vez algo completamente novo."

Os cientistas acreditam que a Voyager 1 ainda não entrou no espaço interestelar. Isso significaria uma súbita descida na densidade de partículas quentes e um aumento na densidade de partículas frias. Os cientistas estão a colocar os dados nos seus modelos da estrutura da heliosfera e deverão ser capazes de melhor estimar o momento em que a Voyager 1 irá atravessar para o espaço interestelar. Actualmente estimam que chegará a essa fronteira daqui a quatro anos.

"Em Ciência, não há nada como uma verificação da realidade para agitar as coisas, e a Voyager 1 ofereceu-nos uma com factos concretos," afirma Tom Krimigis, investigador principal do LECPI, do Laboratório de Física Aplicada e da Academia de Atenas, Grécia. "Uma vez mais, enfrentamos o desafio de refazer os nossos modelos."

Uma sonda-gémea, a Voyager 2, foi lançada a 20 de Agosto de 1977 e está a 14 milhões de quilómetros do Sol. Ambas as sondas viajam a trajectórias diferentes e a velocidades diferentes. A Voyager 1 viaja mais depressa, a uma velocidade aproximada de 61.155 km/h, em comparação com os 56.327 km/h da Voyager 2. Nos próximos anos, os cientistas esperam que a Voyager 2 encontre o mesmo tipo de fenómeno que a Voyager 1.

Short Sharp Science: Home

Short Sharp Science: Home

COSMOLOGY PUZZLE

So you think you can solve a cosmology puzzle? Scientists challenge other scientists with a series of galaxy puzzles




ScienceDaily (2010-12-08) -- Cosmologists have come up with a new way to solve their problems. They are inviting scientists, including those from totally unrelated fields, to participate in a grand competition. The idea is to spur outside interest in one of cosmology's trickiest problems -- measuring the invisible dark matter and dark energy that permeate our universe. ... > read full article

NEUTRON STARS & STRING THEORY IN THE LAB?

Neutron stars and string theory in a lab: Chilled atoms give clues to deep space and particle physics



ScienceDaily (2010-12-11) -- Using lasers to contain some ultra-chilled atoms, a team of scientists has measured the viscosity or stickiness of a gas often considered to be the sixth state of matter. The measurements verify that this gas can be used as a "scale model" of exotic matter, such as super-high temperature superconductors, the nuclear matter of neutron stars, and even the state of matter created microseconds after the Big Bang. The results may also allow experimental tests of string theory in the future. ... > read full article

CURVING MIRRORS IN SPACE? WEBB TELESCOPE ACTUATORS

Webb telescope's actuators: Curving mirrors in space




ScienceDaily (2010-12-13) -- NASA's James Webb Space Telescope is a wonder of modern engineering. As the planned successor to the Hubble Space telescope, even the smallest of parts on this giant observatory will play a critical role in its performance. A new video takes viewers behind the Webb's mirrors to investigate "actuators," one component that will help Webb focus on some of the earliest objects in the universe. ... > read full article